domingo, 20 de março de 2011

Amigos de Paddock! - Anderson Antonio Lopes Rodrigues

Anderson Antonio em ação no Kart.
Olá

Vou começar me apresentando, pois esse é meu primeiro post no http://www.paddockinfo.blogspot.com/ . Meu nome é Anderson Antonio Lopes Rodrigues, sou amigo do Claudio Souza a pouco tempo, porém, o suficiente para saber que o mesmo é uma grande pessoa, com excelente carater. Sou piloto de kart - se existir algo abaixo de amador, estou nessa faixa - e também piloto de automobilismo virtual, e é nesse último assunto que usarei como meu primeiro post.

O automobilismo virtual começou com os gloriosos Enduro (Namco, 1982) e Pole Position (Atari, 1983), da plataforma Atari, mas o nível de realismo era nulo, até por conta das tecnologias da época para simulação, que também era nula. O enduro basicamente tinha um objetivo final, que era ultrapassar um determinado número de carros, num determinado tempo, passando por diversos tipos de condições. O Pole Position ja era mais voltado ao que conhecemos como corrida, fazer uma volta numa pista, no caso era Fuji, no tempo mais rápido. Foi lançado em 1987, o jogo Pole Position 2 (Final Lap, no Japão), que tinha as pistas de Suzuka (Japão), Detroit (EUA), Monza (Itália) e Mônaco.

Comercial do jogo Pole Position, gravado em Laguna Seca

Após esse tempo nebuloso, e com o desenvolvimento da plataforma PC, uma grande fabricante de jogos despontou, chamada Papyrus, quando lançou "Indianapolis 500: The Simulation", em 1989. Esse jogo foi o primeiro simulador fabricado para uma plataforma jogável na face da terra, tendo a possibilidade de se fazer ajustes no carro, visualizar telemetria e participar de uma simulação de 500 milhas de Indianapolis. A jogabilidade é incrivel, baseado nos recursos que haviam na época para desenvolvimento, deixando ele um jogo extremamente dificil, o que torna o mesmo um desafio motivador mesmo 22 anos após seu lançamento.

Corrida de 10 voltas no Indy 500

A partir daí, com a melhora das plataformas de vídeo game e PC, foram criados vários jogos, utilizando o nome de vários pilotos da época para agregar grife a esses jogos, como Super Monaco GP II da Sega (continuação da série Super Monaco GP), para Mega Drive, que utilizava o nome de Ayrton Senna, e teve até a pista de kart do mesmo inclusa na lista de pistas do game. Mas não usava os nomes reais dos pilotos e equipes da temporada usada como base, a de 1991. Outro piloto da época que emprestou seu nome para criação de jogos foi Nigel Mansell, para o jogo Nigel Mansell's F1 Challenge, de Super Nintendo, baseado nas temporadas de 1992, da qual foi campeão, esse ja possuía os nomes de equipes e pilotos reais para aquela temporada (menos o de Senna que tinha contrato com a Sega). Infelizmente, esses e outros jogos para plataforma Mega Drive e Super Nintendo não possuiam uma abordagem de simulação, deixando a pilotagem nada fiel comparado aos carros reais da época.

Nigel Mansell's World Championship - Super Nintendo

Ayrton Senna's Super Monaco GP - Mega Drive

Em 1992, surgiu o 2º grande simulador de corrida, e também, um outro grande criador de simuladores, a Micropose, com o jogo Formule One Grand Prix. Esse jogo era bem fiel, quanto a simulação, e veio para fazer frente a Papyrus, que respondeu, criando IndyCar Racing, baseado na temporada de 1992 da CART Indy, porém com alguns pilotos com nomes trocados graças ao não acerto do uso de nome, como Mansell e Robby Gordon. Os dois jogos chamaram a atenção de vários maníacos ao redor do Mundo e deram uma alavancada na indústria de jogos de simulação de automobilismo. O jogo Formule One Grand Prix versão 3, começou a ter suporte para jogo em rede, possibilitando vários pilotos virtuais estarem competindo na mesma pista, estando eles em qualquer parte do mundo.

Largada no jogo Formule One Grand Prix
A partir daí, tivemos vários jogos sendo lançados, para as mais diversas plataformas disponiveis na época, como destaque, podemos citar Gran Turismo, para Playstation (Sony), que foi o jogo para console que mais chegou perto de simulação, tendo pistas com relevo e vários carros, desde a carros de rua como protótipos usados em corrida de longa duração.

Para os aficionados em rali, o ano de 1997 foi o marco do automobilismo virtual, com o lançamento do Colin McRae Rally. O seu concorrente Sega Rally, lançado para a plataforma Saturno, tinha já algum realismo, mas o CMR, para PC e PlayStation, causou um furor na época, pois a jogabilidade beirava o real, para ambas as plataformas lançadas, atraindo várias pessoas para esse simulador, e sendo jogado até hoje. Ele possui várias atualizações, sendo o último chamado Dirt 3.

Em 1998, foi lançado um dos melhores simuladores de corrida até hoje, o Grand Prix Legends, ou somente GPL. Esse jogo foi feito pela Papyrus e retrata a temporada de 1967 da Formula 1, com carros, pilotos e pistas. Foi nesse simulador, que pela primeira vez, um pobre mortal teve a oportunidade de pilotar pelos mais de 20 quilometros de Nuburgring Nordschleife e nas estreitas ruas de Mônaco. Os responsáveis pela criação desse jogo só mudaram um detalhe quanto as pistas, a pista de Le Mans Bugatti, palco do GP francês de 1967 foi tirada se piedade do jogo, dando lugar a Rouen-Les-Essarts porque a primeira já era considerada uma pista enfadonha para os padrões da época, sendo chamada por Denny Hulme de pista "Mickey Mouse", veja que não fazem mais pilotos como antigamente. Esse jogo possuia várias modificações, ou simplesmente MOD's, como o F1-1965, o F1-1966. F1-1969 e Sports Cars 1967. O jogo, apesar da idade, é um jogo atual, tendo várias ligas ao redor do Mundo utilizando ele como plataforma e ainda uma Copa do Mundo entre países, onde a próxima esta marcada para 2012.

Grand Prix Legends - Mônaco - Lotus Ford, 1967

Grand Prix Legends Tribute Video

A partir do GPL, vários jogos foram lançados, como o F1 Challenge 99-02 (Eletronic Arts) e Nascar Racing 2003 (Papyrus), ambos bem reais em sua simulação. Mas a partir da virada do século, vários simuladores de gabarito foram lançados, como rFactor, iRacing, GTR2, Race 07, GT Legends, Richard Burns Rally, etc.

Todos esses citados, são utilizados em ligas ao redor do Mundo, como MOD's de monoposto (Open Wheel), turismo e rally. E também são utilizados como base para criação de simuladores de equipes, como foi o caso dos primeiros simuladores de F1, que utilizaram a engine do F1 Challenge e rFactor, que foi criada pela Image Space.

A maioria desses jogos trabalharam as qualidades do piloto virtual, e o mesmo pode aplica-las no mundo real, temos um exemplo disso, que é Leandro Schmidt, o melhor piloto brasileiro de GPL Rank (ranking de pilotos, a nível mundial, para GPL), que correu uma etapa do Trofeo Maserati, convidado pelo Walter Derani, para fazerem dupla num carro. O desempenho de Leandro era tão bom, que Derani não chamou ele aos boxes para efetuar a troca de pilotos e ficou assistindo do muro da pista de Curitiba a vitória do "piloto virtual". E a experiência de Leandro no automobilismo real eram duas corridas de kart indoor.

Para encerrar, vou dizer meu favorito, através do video abaixo:


Abraços a Todos!
E muito Obrigado!

3 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

lembro como hoje a primeira vez que joguei enduro. tinha aquela névoa e na neve era terrívelmente caótico.

só conhecý indy500 de nome, logo tenho jogado muitos dos mencionados, mais nada depois de GLP.

excelente tema! gostei, je!

Ricardo Menegueli disse...

fantástico!
eu jogo Super Monaco GP 2 até hoje... e acho q esses jogos de PS3 são pra viadinho que gosta de 3D(brincadeira hahaha)

legal o texto!

fantástico!

Abraços!

jesimiel sidney disse...

rapaz, ja tentei procurar estes jogos do MEGA e do NITENDO e nao consigo achar. Vcs sabem aonde eu posso encontrar? @mielmaia meu twitter