domingo, 6 de fevereiro de 2011

Acidentes no Automobilismo

A Incrível história de Tetsuya Ota
Ex-piloto do Campeonato Japonês de GT sofreu um gravíssimo acidente em 1998 e expôs a que ponto chega a imbecibilidade humana.

Como ficou o capacete de Tetsuya após o acidente

Todos nós acordamos chocados com a notícia do acidente gravíssimo do polonês Robert Kubica no Rali (?) no qual ele participava na Itália. Sofreu várias lesões na parte direita do corpo tendo a sua mão direita quase dilacerada, precisando ser refeita numa cirurgia que levou quase 7 horas e a estimativa para seu retorno leve 1 ano.

Mas o automobilismo já viu acidentes no mundo GT gravíssimos, este caso que nós achamos foi igualmente forte. Trata-se do Campeonato Japonês de GT de 1998, está certo que o acidente ocorreu há mais de 10 anos, mas sua gravidade e a leviandade do atendimento ao piloto nos faz crer que mesmo em países de alto nível, padrão de qualidade A como dizem, podem acontecer falhas grotescas no evento e no atendimento a acidentados.
Este caso é do ex-piloto japonês Tetsuya Ota que na época dirigia a Ferrari F355. A prova era no autódromo de Fuji, hoje palco da F1. Chovia muito na corrida, que estava em safety car, mas esse mesmo andava tão rapido que não foi o suficiente para manter a segurança na pista. Resultado dessa hecatombe foi que no meio do pelotão dois Porsches, dos pilotos Tomohiko Sunako e de Kaoro Hoshino se colidem, sendo que um deles ficou na beira da pista. Segundos depois, o Ferrari F355 de Tetsuya entra em aquaplanagem e bate em cheio no Porsche guiado por Sunako, explodindo em chamas ao mesmo tempo.

Sunako sai do carro com uma perna partida enquanto Tetsuya arde em chamas por mais de 1 minuto. Nesse tempo, Tetsuya sofre queimaduras no nariz ( sua viseira de plástico derreteu-se ), ombros, braços e mão direita. A corrida foi cancelada e Tetsuya nunca mais competiu.

 Tetsuya Ota, antes e depois do acidente.

Depois de um longo período de recuperação ( no qual Tetsuya precisou reconstruir seu nariz ), o mesmo resolveu processar os organizadores do evento, a Federação Japonesa de automobilismo e o clube organizador da corrida. Razões para ele não faltaram. Claro, Tetsuya ganhou o processo e tinha que receber 300 milhões de Ienes ( cerca de 3 milhões de reais ), mas depois com o acordo acabou recebendo 90 milhões de Ienes ( cerca de 900 mil reais ). 

Hoje Tetsuya Ota mantem uma equipe de Tunning para carros Alfa Romeo no Japão. A sua história mostra como o automobilismo mundial ainda carece de segurança em algumas áreas. O acidente de Robert Kubica também demonstrou a falta de seriedade nesta questão porque o polonês ficou mais 1 hora nas ferragens antes de ser resgatado pela brigada de incêndio e agora corre o risco de ver sua carreira na F1 terminada. Torcemos para que isso não aconteça.

O gravíssimo acidente de Tetsuya Ota no Fuji Speedway - 1998.

fonte: http://continental-circus.blogspot.com
fotos: www.google.com.br/images
video: www.youtube.com.br

4 comentários:

(RICSIMON) disse...

SOBRE O ACIDENTE DO JAPONES, NÃO VI IMPRUDÊNCIA DA ORGANIZAÇÃO. O QUE OCORREU É QUE FORAM VÁRIOS ACIDENTES SIMULTÂNEOS E NÃO TINHAM SOCORRO PARA TODOS.

SOBRE O KUBICA, O QUE ELE FOI FAZER LÁ NA ITÁLIA CORRER DE RALI???

NÃO SEI O QUE É PIOR, PERDEMOS O KUBICA OU GANHARMOS O BRUNO SENNA.

F-1 A.L.C. disse...

O caso é que um circuito de Rally costuma ser muito mais extenso que uma pista fechada, e a infraestrutura necesária para vigiar (somente vigiar) os carros pode ficar muito muito cara

mesmo assim, uma hora é terrível! em medicina de emergência tem o parámetro "a hora de ouro" pois é nos primeiros 60 minutos que acontecem a maior parte das mortes (de quem sobrevive ao accidente) e das dicapacidades.

Raphael Mesquita Siqueira disse...

Melhoras ao Kubica.

Bruno Senna MACUMBEIRO !
:-P

Anônimo disse...

RIC SIMON, vc não viu imprudência?! vc é cego, após a colisão não chega um carro do resgate ou mesmo algum fiscal de pista p ajudar no socorro, tanto q deu tempo de um outro piloto parar o carro pegar um extintor do próprio carro p poder extinguir o fogo do carro do Tetsuya, o piloto foi praticamente retirado a "força" p não morrer queimado, enquanto isso acontecia não se viu UM carro de apoio ou de resgate p ajudá-los, se vai comentar ao menos preste atenção no q escreve.